O slideshow foi denunciado.
Utilizamos seu perfil e dados de atividades no LinkedIn para personalizar e exibir anúncios mais relevantes. Altere suas preferências de anúncios quando desejar.

Espaço SINDIMETAL 82

Perspectivas Econômicas para 2021

Livros relacionados

Gratuito durante 30 dias do Scribd

Ver tudo
  • Seja o primeiro a comentar

Espaço SINDIMETAL 82

  1. 1. 82 - Julho a Dezembro 2020 | ANO 14
  2. 2. w w w . s i n d i m e t a l r s . o r g . b r 2 Em busca do objetivo comum E stamos chegando ao final de um ano muito diferente, cujos desafios eco- nômicos e sociais ainda permanecerão em 2021. Continuaremos enfrentando incer- tezas e mudanças rápidas e disruptivas, que exigirão ações fortes num curtíssimo prazo. Neste ambiente, já bastante turbulento, con- sidero preocupante que a mídia, de modo ge- ral, nos confronte com notícias de viés muito negativo. De forma sensacionalista, evidencia o curtíssimo prazo, perdendo a oportunidade de incentivar uma discussão para a vida de- pois da crise. O foco, lamentavelmente, é nos extremismos de posição, no ‘nós contra eles’. Mas, será que não existem outros cenários que devemos considerar? Afinal nenhuma cri- se é eterna e nos ciclos econômicos, após cada período de baixa, segue um de alta. Talvez esta montanha russa seja mais acentuada no Brasil do que nos países mais desenvolvidos. Certamente também nos reserva mais opor- tunidades potenciais, do que nas economias já muito estabilizadas. Com nossa economia praticamente estagnada, por cerca de cinco anos, seguramente há um grande potencial de crescimento a médio prazo. A questão é: como poderemos aproveitar melhor estas oportunidades e explorar nossas potenciali- dades? Na minha opinião, precisamos desconstruir o cenário de extremos, do ‘nós contra eles’, e programar um ‘objetivo comum’. Devemos Vice-Presidente do SINDIMETAL RS Volker Lübke substituir o confronto, que visa apenas impor pontos de vista, pelo debate, a análise de argumentos, o levantamento de questões e o entendimento dos detalhes. Esta discussão construtiva exige capacidade de ouvir e ceder, sem radicalismos! Será que isto faz parte da nossa cultura? Sempre haverá vários pontos de vista e nunca será possível atender a todos os interesses em sua plenitude. Se buscarmos ‘impor’ apenas a nossa opinião, estaremos exigindo que outros sejam convencidos a abrir mão das suas con- vicções. Isto dificilmente acontecerá de forma tranquila e harmoniosa, afinal cada um tem uma motivação pelas suas convicções. Excluo desta consideração os radicais, que numa so- ciedade democrática devem ser minoria, pois nunca estarão dispostos a considerar outros conceitos. Creio que este seja o caso do Brasil, mesmo avaliando que a mídia pareça conside- rar relevante dar voz a estes grupos. É interessante observar, que mesmo enfren- tando um inimigo comum, o Coronavírus, estamos tendo dificuldade de aceitar e concordar com uma estratégia de combate, que chegue num consenso com a maioria da sociedade. Isto está gerando um desgaste, um cansaço na população em geral. Talvez seja o ponto de inflexão, que trará a mudança de mentalidade, que me motivou na escolha deste assunto para este editorial, no último Espaço SINDIMETAL do ano. PONTO DE VISTA Precisamos criar uma mentalidade construti- va e positiva para atingir nossos objetivos de médio e longo prazo. Somente assim teremos oportunidade para criar soluções, em conjun- to com os diferentes órgãos fiscalizadores dos diversos níveis governamentais, ou em outro exemplo, com os representantes dos trabalhadores. Apenas criando algum con- senso mínimo, sobre objetivos comuns, será possível viabilizar alternativas, que permitirão o desenvolvimento sustentável. Acredito que é possível chegar num consenso sobre algumas ideias básicas. Exemplificando, creio que todos concordam, que nas em- presas temos como objetivo o crescimento e o desenvolvimento dos nossos negócios. Também considero plausível aceitar que para isto precisamos atender às exigências legais, trabalhando junto aos poderes executivo, legislativo e judiciário, para que os obstáculos sejam removidos, sem quebra dos preceitos legais. Certamente, há um consenso de que necessitamos de pessoas qualificadas para colaborar com as ações que nos levarão em direção ao nosso objetivo. Temosquebuscarumdiálogoconstrutivocom estas forças, para entender onde podemos encontrar uma visão compartilhada. Somente assim, teremos um ‘objetivo comum’, que nos permitirá recuperar os últimos anos de crise e, assim, voltarmos a crescer de forma sustentá- vel, em um horizonte de médio prazo. Na minha opinião, precisamos desconstruir o cenário de extremos, do ‘nós contra eles’, e programar um ‘objetivo comum’.
  3. 3. C hegamos ao final de um ano atípico, que exigiu tanto esforço e sereni- dade. A pandemia é uma realidade entre nós e enquanto não estivermos imu- nizados, seguirá desafiando a população. O último ESPAÇO SINDIMETAL de 2020 é o resultado deste momento, que impactou na rotina da entidade e das suas associadas e filiadas. Tivemos que nos reinventar. Esta edição inicia com o Ponto de Vista, na página 02, assinado pelo vice-presidente Volker Lübke, que aborda justamente os desafios econômicos e sociais, que possi- velmente ainda permanecerão em 2021. Na sequência, na página 04, informações pertinentes à diretoria, que conta com o seu planejamento estratégico. Também pode ser conferida uma matéria referente a mobilização com relação ao processo seletivo da Fundação Liberato, assim como a divulgação de duas novas associadas. Na página 05, o tema da nossa matéria de capa, com a cobertura da tradicional palestra econômica, realizada pelo economista-chefe da FIERGS, André Nunes. Ele traça uma análise do período e realiza uma prospecção de como ficará a área econômica no próximo ano. Já na página 06, a divulgação da nova di- retoria executiva do Banco de Alimentos Vale doSinos,alémdeoportunidadesparaaumen- tar a competitividade da indústria gaúcha. Um momento especial está registrado, na página07,comaentregadaComendado25º BatalhãodePoliciaMilitar,aopresidenteSer- gio Galera, além do evento da SIPAT Virtual. O SINDIMETAL RS, atento às questões sociais e ao interesse das suas associadas, iniciou um programa piloto com cinco empresas. Conheça o PISEG e os resulta- dos, que já estão sendo obtidos, lendo a matéria na página 08, além dos serviços oferecidos pela entidade. Da página 09 a 13, artigos e análises criteriosas são apresentados pelas assessorias da enti- dade, visando esclarecer temas atuais, sempre pertinentes no meio empresarial. Na sequência, o evento Pós-Pandemia e a Live mediadas pelo presidente Sergio Galera. As associadas seguem atuando e se reinventando com sabedoria, como podemos conferir nas páginas 14 e 15. E, encerrando a edição, na contracapa, o novo convênio efetivado com a Associação Desatando Nós e Criando Laços. Imperdível! Muitas e merecidas bênçãos neste Natal para todas as associadas, filiadas, colabora- dores e familiares. Que estejamos fortaleci- dos para viver 2021 com muita disposição e confiança em dias melhores. Boa leitura! Até a próxima edição. Momento de se reinventar editorial SINDIMETAL RS Sindicato das Indústrias Metalúrgicas, Mecânicas e de Material Elétrico e Eletrônico de São Leopoldo PRESERVE O MEIO AMBIENTE Diretor Executivo: Valmir Pizzutti Relacionamento Institucional: Andrea Maganha Redação: Jornalista Neusa Medeiros (Mtb 5062) Informativo bimestral Tiragem: 300 exemplares Circulação: gratuita e dirigida Edição e Produção: Edição 3 Comunicação Empresarial Ltda. Gráfica: Impressos Portão Ltda. Fotos: divulgação Trabalhos assinados são de responsabilidade de seus autores. relacionamento@sindimetalrs.org.br www.sindimetalrs.org.br Í N D I C E E X P E D I E N T E PRESIDENTE Sergio de Bortoli Galera VICE-PRESIDENTES Arno Tomasini Jean Carlo Peluso Sofia Copé Heller Michel Valdir Luiz Huning Vitor Fabiano Ledur Volker Lübke SECRETÁRIO Roberto Petroll TESOUREIRA Caroline Capelão Vargas CONSELHO FISCAL - TITULARES Alexandre R. dos Santos Luiz Antônio Gonçalves Rubén Antônio Duarte CONSELHO FISCAL - SUPLENTES Andrea P. Gremes Pereira Gustavo Geremia Mauro Fernando Dutra DELEGADOS REPRESENTANTES JUNTO À FIERGS TITULARES Raul Heller Sergio de Bortoli Galera SUPLENTES Volker Lübke Arno Tomasini DELEGADOS REPRESENTANTES Estância Velha/ Dois Irmãos/ Ivoti: Marcelino Leopoldo Barth Esteio / Sapucaia do Sul: Juliano Ilha Morro Reuter: Ronei Feltes São Sebastião do Caí/ Montenegro: Vitor Fabiano Ledur Sapiranga: Emilio Neuri Haag Vale Real: Roberto Petroll DIRETORIA | GESTÃO 2019 - 2021 02 - PONTO DE VISTA 10 - JURÍDICO TRABALHISTA 08 - INSTITUCIONAL / SERVIÇOS 16 - CONVÊNIOS / ORIENTAÇÕES 05 - ECONOMIA 09 - SEGURANÇA E HIGIENE DO TRABALHO / CONTABILIDADE E CONTROLADORIA 06 - INSTITUCIONAL 14 - ASSOCIADAS 07 - INSTITUCIONAL / AÇÃO 15 - ASSOCIADAS 03 - EDITORIAL 11 - JURÍDICO TRIBUTÁRIO 04 - INSTITUCIONAL 12 - JURÍDICO PREVIDENCIÁRIO 13 - JURÍDICO AMBIENTAL / AÇÃO DIRETORES AdilsoKlaus ChristineLange DanielCarlosPereira DarlanGeremia EmílioNeuriHaag JulianoIlha LeonardoPedrosoFilho MarcelinoLeopoldoBarth MarceloMariani PedroPauloLamberty RobertoAlexandreSchroer RobertoDauber RoneiFeltes SandroMoraisNogueira UdoWondracek Rua José Bonifácio, nº 204 - 5º andar - Centro das Indústrias - São Leopoldo/RS - Fone (51) 3590.7700
  4. 4. w w w . s i n d i m e t a l r s . o r g . b r 4 institucional DEFINIDA A SELEÇÃO PARA ADMISSÃO DE NOVOS ALUNOS NOVAS ASSOCIADAS institucional Diretoria realinha atividades e planeja 2021 N o mês de novembro, a diretoria do SINDIMETAL RS, capitaneada pelo empresário Sergio Galera, esteve reunida para reavaliar o ano em curso e projetar algumas ações para 2021. Este ano de 2020 foi totalmente atípico, com acontecimentos que mudaram o rumo do mundo, rapidamente. Adequações e iniciativas, para amenizar a situação das empresas, foram prontamente priorizadas pela entidade, através das negociações coletivas, em conjunto com a assessoria jurídica trabalhista – Garcez Advogados Associados. Foram realizadas dezenove negociações, no decorrer do ano. Desde as Extraordinárias Co- vid-19, em março; Ordinárias, em maio, com as cláusulas sociais, até os Termos Aditivos fixados para todas as Convenções, juntamente com as cláusulas econômicas, finalizadas recentemente, no mês de outubro, assim como as Categorias Diferenciadas. Seguimos assim, fortes no posicionamento frente às negociações coletivas e atentos, para con- tribuir, auxiliar e apoiar as empresas, com todo empenho possível e necessário neste momento tão diferenciado para todos. A diretoria também analisou o planejamento estratégico da entidade, identificando os impac- tos resultantes deste período de pandemia. Para 2021, segundo o presidente Sergio Galera, a entidade seguirá determinada e confiante na busca de novas alternativas, que possam ser desenvolvidas, diante do atual cenário econômico. O SINDIMETAL RS, unindo esforços, juntamente com diversas entidades empresariais da região, se mobilizou ante a decisão da Fundação Escola Liberato Salzano Vieira da Cunha, de Novo Hamburgo, de substituir o processo seletivo por um sorteio de vagas, para acesso ao ano letivo de 2021. A decisão final, de manter o tradicional processo seletivo, utilizando recursos da Secretaria de Educação do Estado do Rio Grande do Sul e da própria Fundação, foi acertada. O ingresso para os novos alunos, no próximo ano, será organizado através de seleção, como já ocorre há anos. O documento endereçado à diretoria da Fundação Liberato, assinado pelo presidente do SINDIMETAL RS, empresário Sergio Galera, enfa- tizou a história, a qualidade do ensino, a credibilidade e o sucesso da respectiva Escola Técnica. Esta trajetória foi possível graças ao empenho do corpo docente e do rigoroso processo de seleção para admissão dos seus alunos. É com satisfação que o SINDIMETAL RS passou a contar, no seu quadro associativo, com as empresas Metalúrgica R-MAC, de São Leopoldo; e Retisul Retífica Industrial, de Sapucaia do Sul. O associativismo objetiva contribuir para a geração de soluções, a superação de desafios e dificuldades nos mais variados âmbitos. Através desta prática é possível: uma maior expressão social;  a busca de melhorias, que contribuam para o desenvolvimento local, “Por essa excelência, a indústria metalmecânica e eletroeletrônica da região vem sistematicamente contratando os alunos dessa escola, para o preenchimento das suas vagas’, afirmou Galera. “A retomada do respectivo processo seletivo, para o ingresso à escola, é mais justa, pois incentiva o estudo e a qualificação dos jovens”, destaca o presidente.        Os Cursos Técnicos Diurnos de Química, Mecânica, Eletrotécnica e Eletrônica têm a duração de quatro anos, além de 720 horas de estágio supervisionado, sendo destinados aos alunos concluintes do Ensino Fundamental. Já para os Cursos Técnicos Noturnos existem as opções de Química, Mecânica, Eletrotécnica, Eletrônica, Segurança do Trabalho, Manutenção Automotiva, Design de Interiores e Informática para Internet. Os mesmos têm duração de quatro ou cinco semestres, mais estágio curricular obrigatório e são destinados a alunos com o Ensino Médio completo. A inscrição foi realizada somente pela internet até o dia  06 de dezembro.  através de ações estrategicamente pensadas em prol do crescimen- to do respectivo grupo.  Além disto, essa interação promove um ganho social amplo e irres- trito, contribuindo para a união de esforços, em busca de objetivos comuns, propiciando mais chances de alcançarmos metas e planos almejados. Bem-vindas ao SINDIMETAL RS! Sergio Galera
  5. 5. s indimet a l@sindimetalrs.org.br 5 FIERGS projeta crescimento de 3,2% para o Brasil e de 4% para o RS em 2021 ação Economista André Nunes de Nunes A palestra sobre Perspectivas Eco- nômicas 2021 esteve a cargo do economista-chefe da FIERGS, André Nunes de Nunes, e foi realizada, no dia 11 de dezembro, de forma on-line, contemplando associadas e filiadas ao SINDIMETAL RS. Com a grave crise da pandemia em 2020, que deverá provocar uma queda de 4% no PIB brasileiro e de 6,8% no gaúcho, a perspectiva é para as atividades econômicas estarem nor- malizadas no País entre março e abril de 2021, segundo a Federação das Indústrias do Estado do Rio Grande do Sul (FIERGS). A expectativa foi revelada antecipadamente, no dia 08 de dezembro, durante a entrevista coletiva Ba- lanço 2020 e Perspectivas 2021, apresentada por transmissão on-line, na FIERGS, cujas in- formações foram reproduzidas neste evento, organizado pelo SINDIMETAL RS. Como consequência, para o próximo ano, a projeção é de crescimento de 3,2% para o PIB do Brasil e de 4% para o do RS, mas que na realidade ainda são insuficientes para recuperar as perdas. O setor industrial puxou o serviço e a recuperação do PIB no País, no terceiro trimestre deste ano. A indústria de transformação cresceu 23% e a indústria como um todo, 14%, para o PIB conseguir subir 7,7%. Isso mostra que a indústria de transformação é o setor mais rápido para ajudar na retomada. Apesar de a dívida pública ter crescido demais durante 2020 em função da crise, o auxílio emergencial criado pelo Governo Federal alcançou 67,8 milhões de brasilei- ros, ajudando a retomar a economia e evi- tando problemas sociais graves, como uma população sem recursos para subsistir. A expectativa é que 2021 seja efetivamente, bem melhor do que foi 2019, pois 2020 não pode ser objeto de comparação. No próximo ano, as reformas para acertar o País e melhorar sua atividade deverão ser intensificadas. RETOMADA - Segundo a Unidade de Estu- dos Econômicos (UEE) da FIERGS, a queda do PIB mundial chegará a 4,4% em 2020, afetado por uma crise profunda por conta da necessidade de distanciamento social. Esse fato provocou um choque negativo na oferta, pois a produção de bens e serviços teve de ser paralisada, causando um efeito dominó, derrubando a demanda, o preço dos ativos e os investimentos. A contração do PIB brasileiro foi recorde no primeiro semestre de 2020: -11%. O terceiro trimestre, porém, mostrou uma forte reação, com mais de 7% de aumento. “É uma retomada em V bem clara. A crise provocou impacto nas atividades indus- triais entre março e abril, com quase 30% de recuo. Agora, já está 0,2% acima do nível pré-pandemia no Brasil”, explicou o economista-chefe da FIERGS lembrando o fato de o Rio Grande do Sul, que está 0,3% acima do nível anterior ao da pandemia, ter sido prejudicado também pela estia- gem, com perdas de 41% na soja e 32% no milho, por exemplo. Nunes observou que a pesquisa Sondagem Industrial de novembro, realizada pela FIERGS, revelou que 45% dos empresários gaúchos acreditam em uma normalização da atividade ainda no final do primeiro tri- mestre de 2021, e 55% esperam aumento da demanda nos próximos seis meses. No encerramento do evento, o diretor Executivo, Valmir Pizzutti, agradeceu a tradicional parceria com a FIERGS, enfa- tizando que todos estavam aguardando este momento, em que o economista André sempre pontua aspectos relevan- tes relacionados a economia mundial, igualmente com destaque no Brasil e no Estado. “Segundo André, a expectativa é que, ao final do primeiro trimestre do pró- ximo ano, deve estar normalizado o nível de estoques e insumos, que tanta preocu- pação tem causado em 2020”, argumenta Pizzutti. “Encerramos este ano tão difícil, com esperanças renovadas. Que possamos retomar este evento ao final de 2021, de forma presencial”, conclui. Acesse mais informações: FONTE: FIERGS
  6. 6. w w w . s i n d i m e t a l r s . o r g . b r 6 institucionalINSTITUCIONAL Banco de Alimentos Vale do Sinos COM NOVA DIRETORIA EXECUTIVA Suas ideias transformadas em soluções inteligentes N o dia 02 de dezembro, foi realizada a eleição da nova dire- toria executiva do Banco de Alimentos Vale do Sinos, na sede do SINDIMETAL RS. Este, que envolve os municípios de São Leopoldo, Sapucaia do Sul, Esteio e Portão, interage como um gerenciador de arrecadação, recepção e distribuição de doações para entidades assistenciais cadastradas. Atualmente, 72 entidades são beneficiadas, atingindo mais de 9.300 mil pessoas, somando uma arrecadação acumulada de aproximadamente 101 toneladas. Representante Pe. Idinei Augusto Zen Valmir Tarciso Pizzutti Pedro Luis Viana Vencato Elisete Hoerlle Loivo Hoff Luísa Rihl Castro Luiz Henrique de Oliveira Hauser Maicon Rodrigo Adams Claudir Fossatti Suzana Fialho Reginato Evandro Sfredo Krüger Andre de Cesaro Cargo Diretor-Presidente Diretor Vice-Presidente representante de São Leopoldo Diretor Vice-Presidente representante de Sapucaia do Sul Diretor Vice-Presidente representante de Esteio Diretor Vice-Presidente representante de Portão Diretora-Técnica Diretor-Financeiro Diretor de Marketing e Comunicação Diretor de Patrimônio Diretora Secretária Diretor de Relações com o Mercado Diretor de Logística Empresa UNISINOS – Associação Antônio Vieira SINDIMETAL ACIS Sapucaia ACISE Esteio CICS – Portão UNISINOS – Associação Antônio Vieira Banco do Brasil S/A ACIST SL Borrachas Vipal S.A. Lions Clubes de São Leopoldo, Sapucaia do Sul, Portão e Esteio Serviço Social da Indústria SESI – Região IV Unidasul Distribuidora Alimentícia S/A Interessados em contribuir poderão efetivar doações diretamente na conta corrente, preferencialmente identificando o nome do depositante: Banco de Alimentos Vale do Sinos CNPJ. 10.416.700/0001-15 Banco do Brasil S/A Agência 0185-6 Conta Corrente: 80000-7 D esde o dia 09 de novembro, o Edital Gaúcho de Inovação para a Indústria começou a receber inscrições para sua se- gunda edição. O mesmo é promovido pelo SESI, SENAI, IEL e SEBRAE, com apoio da FIERGS, da Secretaria de Inovação, Ciência e Tecnologia do Estado do Rio Grande do Sul, Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Rio Grande do Sul (FAPERGS) e Instituto Nacional da Propriedade Industrial (INPI). O fomento busca promover a cultura da inovação e aumentar a competitividade da indústria gaúcha. O edital disponibilizará recursos entre R$ 200 mil e R$ 600 mil por projeto, nas linhas de Agritech, Bioeconomia, Cidades Inteligentes, Design para Produto, Economia Circular, com inscrições abertas, até 18 de julho de 2021. Podem participar indústrias - grandes, médias, pequenas, micros ou startup - contribuintes de SESI e SENAI, com CNPJ registrado no Rio Grande do Sul. As mesmas não podem estar inadimplentes com alguma das instituições ou SEBRAE; não devem possuir débitos fiscais e igualmente não ter dirigente com vínculo profissional com algum dos entes do edital. Além dos recursos financeiros, o projeto aprovado terá acesso ao know-how das instituições para o desenvolvimento da ideia e utilização dos centros de pesquisa, desenvolvimento e inovação do SENAI e do SESI. Também poderá participar de ação complementar www.bancodealimentos-vs.org.br DIRETORIA EXECUTIVA do SEBRAE, com foco em empreendedorismo, modelagem de negócio e divulgação do produto; e do IEL, voltado à gestão da inovação e lide- rança. As empresas devem submeter sua ideia no endereço www.egii.com.br. A divulgação do primeiro ciclo, com iniciativas aprovadas, será feita em fevereiro. A edição passada totalizou 136 ideias, sendo que 38 projetos foram aprovados e 29 contratados. O propósito é manter a competitividade da indústria gaúcha, trazendo crescimento e modernização para o setor. MAIS OPÇÕES – Além desta oportunidade, as empresas dispõem de outras para alavancar os seus negócios. O Pro- grama Brasil Mais é uma iniciativa do Governo Federal, que oferece às micro, pequenas e médias empresas soluções para melhorar a gestão, inovar processos e reduzir desperdícios.  https://bit.ly/2VPtx2D Plataforma Inovação para a Indústria - SESI e SENAI - Re- cursos para desenvolvimento de projetos, com o objetivo de aumentar a produtividade e a competitividade da indústria.  https://bit.ly/3n9Iqct
  7. 7. s indimet a l@sindimetalrs.org.br 7 INSTITUCIONAL / AÇÃO Presidente do SINDIMETAL recebe Comenda do 25º Batalhão de Polícia Militar O presidente do SINDIMETAL RS, empresário Sergio Galera, recebeu, no dia 17 de julho, a Comenda do 25º Batalhão de Policia Militar, em cerimônia reservada, na sede da en- tidade, em São Leopoldo. Estiveram presentes o Tenente Coronel Carlos Daniel Schultz Coelho, Comandante do Comando Regional do Vale do Rio dos Sinos, de Policiamento Ostensivo; e o Tenente Coronel Sérgio Gonçalves dos Santos, Comandante do 25º Bata- lhão de Polícia Militar de São Leopoldo. O Tenente Coronel Sérgio, ao citar o agraciado com a Comenda do 25º Batalhão de Polícia Militar, destacou o apoio incondicional rece- bido do SINDIMETAL em diferentes iniciativas junto à Brigada Militar. “O momento que estamos vivendo, em virtude da pandemia, limitou esta solenidade, mas não poderíamos deixar passar em branco este merecido destaque”, afirma. Na sequência, os Tenentes Coronéis Sergio e Daniel fizeram a entrega da respectiva Comenda ao empresário Sergio Galera, destacando “toda sensibilidade, parceria e amizade, que tornou o homenageado merecedor desta honraria”. Sergio Galera emocionado enfatizou que “o presidente é escolhido, mas não trabalha sozinho”.  Existe um grupo no SINDIMETAL, que contribui para fomentar e auxiliar as empresas, para que tenham me- lhores condições de trabalho. “A entidade sempre ‘saiu da caixa’ e foi além entendendo a sua importância, junto às empresas associadas e filiadas, bem como o compromisso com o segmento, que representa, por esta razão a honraria é extensiva a todos que participam desta entidade”, enfatiza. A respectiva Comenda objetiva distinguir integrantes da Brigada Mi- litar, de outras instituições militares e civis, cidadãos da comunidade, órgãos e entidades públicas e privadas, nacionais e estrangeiras, por suas relevantes contribuições prestadas à Corporação e em especial ao 25º Batalhão de Polícia Militar. O destaque evidencia o elevado pro- fissionalismo,comprometimento,aptidãointelectualeentusiasmono sentido de promover o desenvolvimento e de reforçar positivamente a imagem do respectivo Batalhão de Polícia Militar.          Esse destaque é concedido anualmente, por ocasião das comemora- ções do Batalhão, em 20 de julho, data de aniversário da Organização Policial Militar (OPM). Entrega da Comenda E m decorrência das limitações impostas pela pandemia, a Semana Interna de Prevenção de Acidentes de Trabalho - SIPAT Comunitária,  uma promoção anual do Sindicato, realizada em parceria com o SESI, ocorreu, neste ano, de forma virtual, com valores diferenciados para as indústrias vinculadas ao SINDIMETAL RS. Participaram 13 empresas: Bio Engenharia, Coester, Itecê, Lorscheitter, Max Metalúrgica, Metalthaga, Meta- lúrgica Loth, Metalúrgica Nunes, Polimetal, Rijeza, Sebras, Taurus e Transmaq. A SIPAT Virtual oportunizou a realização da iniciativa, sem aglo- merações, atingindo também funcionários em teletrabalho. Foi composta por um combo, com cinco palestras gravadas por es- pecialistas, com legendas em português, que ficaram disponíveis durante a semana da SIPAT. Na pauta, Infecções Sexualmente Transmissíveis; Comportamento seguro: prevenção e proteção no trabalho; Gerenciamento do Estresse; Doenças Crônicas Não Transmissíveis; e Comportamento saudável para o Bem-Estar e Autocuidado no trabalho.  Depoimentos METALÚRGICA NUNES - “A SIPAT na empresa foi bastante produ- tiva. Os colaboradores puderam participar de uma palestra por dia, sendo em diferentes turmas, para evitar aglomeração, em virtude do Covid-19. Os assuntos direcionados pelo SESI foram de extrema relevância para que todos pudessem pensar em si e nos demais colegas de trabalho. É gratificante saber que nossos colaboradores se preo- cupam em manter um ambiente de trabalho seguro e conscientes dos riscos que podem ser encontrados.” SUSANA GOMES, do setor de Recursos Humanos ITECÊ - “Na Itecê, normalmente, as palestras ocorriam de forma presencial.  Com a pandemia e os protocolos de cuidados de não aglomerar pessoas, aceitamos a oferta de uma SIPAT Virtual.      A mesma possibilitou a escolha dos assuntos mais interessantes, de acordo com o momento ou a necessidade da empresa.  Oportu- nizou também o acesso à informação para uma quantidade maior de pessoas, pois obtivemos 100% de participação dos funcioná- rios.  Aproveitamos o momento para trabalhar conscientização, reduzir acidentes de trabalho e estimular  atitude vigilante com as normas de saúde e segurança, para que se tornem hábito e se- jam transformadas em prática diária, mesmo diante da situação imposta pela pandemia.  Comparada a uma SIPAT com a    presença de palestrantes, o custo para a realização foi bem menor.  A duração das palestras de 15 a 20 minutos, dependendo da escolha dos temas, possibilitou me- lhor resultado de atenção e aprendizado. A disponibilização de um link individual, protegido por uma senha, e o conteúdo visualizado, em qualquer aparelho de mídia, favoreceu o acesso em qualquer lugar e na melhor hora em que o funcionário escolhesse. A SIPAT Virtual foi uma experiência nova e produtiva.”  REINHOLDT VILMAR KOCH, do setor Administrativo/ Recursos Humanos ORIENTAÇÕES On-line
  8. 8. w w w . s i n d i m e t a l r s . o r g . b r 8 N uma ação do SINDIMETAL RS ocorreu, no dia 24 de setembro, uma reunião, com entidades parceiras, para pro- mover o Programa de Incentivo ao Aparelha- mento da Segurança Pública do Estado do Rio Grande do Sul (PISEG/ RS). A Lei Complementar 15.224/2018, que cria o PISEG/ RS, é a primeira que possibilita aos contribuintes direcionarem recursos para a segurança pública. A mesma permite maior participação da sociedade civil no fortaleci- mentodasforçaspoliciaisedemaisinstituições vinculadas à segurança, em clara colaboração entre a iniciativa privada e o poder público, em prol do combate à violência. O SINDIMETAL RS, atento às questões sociais e ao interesse das suas associadas, iniciou um programa piloto com cinco empresas, que está em andamento desde julho e que já apresenta resultados significativos em termos de arreca- dação. PROGRAMA – Orespectivoprogramaconsiste na compensação de valores de até o limite de 5% do saldo devedor do ICMS, condicionada ao repasse, pelo beneficiário, de 10% calcula- do sobre o valor a ser compensado ao Fundo Comunitário Pró-Segurança, a título de fo- mento às ações de prevenção para crianças e adolescentes em situação de vulnerabilidade. A compensação do ICMS pode ocorrer por aporte de valores/bens em projetos estaduais vinculados ao PISEG/RS (aquisição de bens e equipamentos para os órgãos da segurança), ou sem vinculação a projetos do PISEG/RS, por meio de depósito no Fundo Comunitário Pró-Segurança. Participaram da reunião, além do diretor executivo do SINDIMETAL, Valmir Pizzutti; o presidente do  SINBORSUL, Gilberto Brocco; a executiva da  ACIST, Maiara Fangueiro; o presidente do Conselho Comunitário Pró- -Segurança Pública (CONSEPRO), Davi Dalcin; e o presidente do  SINCONTECSINOS, Paulo Roque Luiz. Na ocasião, ficou definido que as entidades unirão forças, com o intuito de fomentar a participação de mais empresas no referido programa. PRESTAÇÃO DE CONTAS – Representantes das empresas participantes do programa piloto, das entidades parceiras (SINDIMETAL, AÇÃO PILOTO EM PROL DA SEGURANÇA PÚBLICA SINBORSUL, ACIST, CONSEPRO e SINCON- TECSINOS), da Brigada Militar e da Polícia Civil participaram de uma reunião on-line. A mesma ocorreu, no dia 19 de novembro, e teve como objetivo a prestação de contas dos valores arrecadados, no período de junho a novembro. O montante foi destinado à aquisição de qua- tro viaturas para a Brigada Militar, semi blinda- das, da marca Renault Duster, sendo três para São Leopoldo e uma para Novo Hamburgo. A entrega das viaturas está prevista para março de 2021, pois são necessárias adaptações nos veículos por parte da montadora. Ficaram acordadas igualmente reuniões trimestrais, para a apresentação de contas. Também as entidades estão se mobilizando para que mais empresas possam aderir a esta iniciativa, que visa beneficiar, além da Brigada Militar, a Polícia Civil, o Instituto Geral de Perícias, o Corpo de Bombeiros Militar e a Superintendência dos Serviços Penitenciários. Empresas interessadas em aderir ao projeto, podem contatar através do telefone (51) 3590-7708 ou e-mail desenvolvimento2@ sindimetalrs.org.br. INSTITUCIONAL | SERVIÇOS Assessorias à disposição das empresas P ara auxiliar na gestão das empresas, o SINDIMETAL RS disponi- biliza diferentes assessorias, visando apoiar e contribuir no dia a dia das suas associadas e filiadas. • Controladoria e Contabilidade • Jurídica Trabalhista, Ambiental e de Representação Comercial • Jurídica Tributária • Jurídica Previdenciária • Perícia em Cálculos Trabalhistas • Segurança e Higiene do Trabalho LGPD - Saiba sobre o novo serviço, oferecido pelo SINDIMETAL RS, às associadas, para adequação das empresas à Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD), através da assessoria Jurídica Trabalhista, Garcez Advogados Associados. A assistência no processo de implementação, manutenção e moni- toramento de adequação à LGPD engloba diferentes etapas, que podem ser contratadas em conjunto ou isoladamente. Conforme os advogados, a respectiva assistência jurídica proposta não compreende a prestação de quaisquer serviços relacionados as atividades típicas de Tecnologia da Informação e Segurança da Informação. Ligue (51) 3590-3655 para mais informações.
  9. 9. s indimet a l@sindimetalrs.org.br 9 INSTITUCIONAL D esde a década de 1990, a publicação na Revista Exame das 500MaioresEmpresasBrasileiras,editadapelaEditoraAbril e coordenada por Stephen Kanitz, vem demonstrando que um dos maiores problemas das empresas brasileiras é a falta de CAPITAL DE GIRO. São duas as principais causas desta deficiência: 1. A alta carga tributária brasileira Em 2019, a carga tributária brasileira atingiu 35,17 % do PIB nacio- nal, superada somente por Cuba, no Caribe. Em 1993, o percentual era de 25,80 % e em 1996 saltou para 29,10 %. O acréscimo nesse período foi de 12,79 %. Isto teve origem na decisão política de "financiar os gastos públicos com o aumento de impostos", uma aberração, porque retira recursos do ciclo produtivo para gastos improdutivos. Temos aqui a primeira visão da filosofia socialista. Além do aumento da carga tributária, o governo sistematicamente vem encurtando os prazos de recolhimento dos tributos, obrigan- do as empresas a financiar seus gastos antes de receber a receita de suas vendas. 2. Empresas familiares A maioria das empresas brasileiras são de estrutura familiar. Antes que alguém interprete esta afirmação como depreciativa, convém salientar que se faz aqui referência à maneira como, geralmente, foram criadas estas empresas, ou seja, de forma humilde e com poucos recursos. Se somarmos a causa número um, aliada à dificuldade de financia- mentos adequados para aquisição de máquinas e equipamentos, facilmente podemos entender o problema. Enumeradas as causas da deficiência de CAPITAL DE GIRO, vamos ilustrar sua formação, de forma simples e didática: Revisão Legislação: Saúde e Segurança do Trabalho UM SÉRIO PROBLEMA NAS EMPRESAS BRASILEIRAS CAPITAL DE GIRO • PPRA “deixa de existir”– Documento para atendimento a NR09 é “Avaliação e Controle de Exposição a agentes Físicos, Químicos e Biológicos”. • Nesta avaliação, não precisa incluir riscos de Acidentes e Ergonômicos. • LTCAT só com riscos previstos no decreto 3048/99 Anexo 4: Riscos Físicos, químicos e biológicos. • Eventos de SST para o e-Social, apenas com informações Previdenciárias, ou seja, só importa o LTCAT. • O GRO (Gerenciamento de Riscos Ocupacio- nais) substitui o antigo PGR. O GRO tem por fim identificar e eliminar Riscos e Perigos, pela adoção de medidas preventivas de acompanhamento da saúde dos expostos aos riscos; e promover um gerenciamento de riscos SEGURANÇA E HIGIENE DO TRABALHO / CONTABILIDADE E CONTROLADORIA operacionais eficaz. Monitorar frequentemente as áreas de riscos. •OGROsetornaumaferramenta“viva”,emconstante atualização, que pode ter como “entrada ou saída” os programasexistentes.devemconstartodososriscos, inclusive de Acidente e Ergonômicos. • O GRO não é físico. É uma ferramenta de gestão. • Deve ser um documento oficial, com inventário de riscos e Plano de Ação. • O inventário e o plano de ação são documentos “vivos”. Revisão no mínimo a cada 2 anos. • O inventário com base nas avaliações da NR09 mais as qualitativas de ergonômicos e acidentes. • Os documentos oficiais devem “se comunicar” com o GRO, (Avaliação de Exposição, Analise Ergonômica, Acidentes, PCMSO, PCA.) • PCMSO elaborado com base nos riscos descritos no GRO. PATRIMÔNIO LÍQUIDO ( - ) ATIVO PERMANENTE ( = ) CAPITAL DE GIRO (C.G.) Verificamos então que a melhora do CAPITAL DE GIRO se dá através do Lucro não Distribuído (aumento do Patrimônio Líquido) ou da redução do Ativo Permanente. O CAPITAL DE GIRO é utilizado para atender à NECESSIDADE DE CAPITAL DE GIRO (N.C.G.), que possui a seguinte composição: CLIENTES ( + ) ESTOQUES ( - ) FORNECEDORES ( - ) OBRIGAÇÕES FISCAIS, TRABALHISTAS, ETC ( = ) NECESSIDADE DE CAPITAL DE GIRO (N.C.G.) Essa equação indica as medidas que podem serem adotadas para diminuir a N.C.G. Diantedoexposto,edeformasimples,podemosafirmarqueseoCA- PITAL DE GIRO for maior que a NECESSIDADE DE CAPITAL DE GIRO, a empresa terá aplicações financeiras, figurando estas aplicações em seu Ativo Circulante. Caso contrário, terá dívidas de suplementação de CAPITAL DE GIRO figurando em seu Passivo Circulante. Ivan Silveira Adelino Colombo • Engenheiro de Segurança do Trabalho, na Planin – Plane- jamento Industrial, Segurança e Higiene do Trabalho - Assessoria do SINDIMETAL RS. Acesse mais informações: • Sócio-Consultor - Colombo Consultoria Empresarial, Assessoria do SINDIMETAL RS, na área de Controladoria e Contabilidade.
  10. 10. w w w . s i n d i m e t a l r s . o r g . b r 10 institucionalJURÍDICO TRABALHISTA Contrato de Representação Comercial Riscos de reconhecimento de relação de emprego O Contrato de Representação Comercial é regido sob a égide da Lei Civil, observando-se ao que estabelece a Lei nº 4.886/65, assim como as alterações introduzi- das pela Lei nº 8.420/92. A Lei nº 4.886/65, em seu artigo 1°, assim preceitua: “Art. 1º Exerce a representação comercial autônoma a pessoa jurídica ou a pessoa física, sem relação de emprego, que desempenha, em caráter não eventual por conta de uma ou mais pessoas, a mediação para a rea- lização de negócios mercantis, agenciando propostas ou pedidos, para transmiti-los aos representados, praticando ou não atos relacionados com a execução dos negócios.” Nada obstante, são comuns, perante a Justiça do Trabalho, ações por meio das quais, depois de mais ou menos longos períodos de relacionamento contratado, tido e havido como de representação comercial, em que o representante se be- neficia das vantagens decorrentes dessa condição, vem ele a juízo pretendendo negar todo o passado e somar, às vantagens legais e legitimamente usufruídas, outras, decorrentes de uma declaração de relação de emprego, tais como horas extras, fé- rias acrescidas de 1/3,  13º salário, FGTS e multa de 40%, aviso prévio, além de eventual responsabilidade civil decorrente de doença ou acidente do trabalho, o que poderá onerar sobrema- neira a relação comercial originalmente estabelecida. E o pretenso ponto de apoio para essas ambições se encontra justamente na Lei n° 4.886/65, que regula a atividade autô- noma da representação comercial e não facilita a tarefa de Julgador, de distinguir o verdadeiro e legítimo empregado do representante comercial autônomo.   Comparando-se os artigos 3° da Consolidação das Leis do Trabalho – CLT – (“Considera-se empregado toda pessoa física que prestar serviços de natureza não eventual a empregador, sob dependência deste e mediante salário”) e 1° da Lei n° 4.886/65, verifica-se a inexistência de elementos diferenciadores objeti- vos. É necessário considerar, ainda, que a Lei n° 4.886/65 traz dispo- sitivos que, se não iguais, pode-se dizer que possuem a mesma finalidade e sentido de preceitos da legislação trabalhista, con- tidos na CLT ou na Lei n° 3.207/57 (que regulamenta as ativida- des dos empregados vendedores, viajantes ou pracistas). Como exemplo, citam-se os artigos 34, 35 e 36 da Lei n° 4.886/65 em relação aos artigos. 482 e 483 da CLT, e os artigos 31 e 1° do artigo 33 da Lei n° 4.886/1965, em relação aos artigos 2° e 7° da Lei n° 3.207/57. Por essa forma, para evitar êxito quanto à caracterização de relação de emprego na contratação de representação comer- cial em eventual demanda trabalhista, devem ser observadas as formalidades do contrato de representação e a maneira da sua execução. Para tanto, é salutar que o contrato de representação comer- cial seja formalizado e que o representante esteja cadastrado no Conselho Regional dos Representantes Comerciais – CORE – e perfaça o recolhimento do Imposto Sobre Serviços – ISS. O contratante, ademais, não poderá impor condições alheias à representação comercial e deverá remunerar o representante por comissão sobre os negócios por ele agenciados. Não de- verá ser concedida ajuda de custo, muito menos assegurado valor mínimo, além de não ser recomendada a utilização, pelo representante, da estrutura da representada. O representante também não deverá utilizar cartões, uniformes e outros mate- riais da empresa. Bem assim, não deve ser exigido o cumprimento de horário e o comparecimento à empresa em datas fixas. Não poderá haver nenhuma direção do trabalho, como determinação de metas e quantidade de visitas a realizar. O representante deve ter o poder da organização da sua atividade profissional e deve arcar com todos os instrumentos necessários para o desempenho da- quela, tais como despesas com veículo, telefone, computador e etecetera. Com efeito, além dos cuidados mínimos a serem tomados pela contratante, sobretudo no que concerne à ausência de subor- dinação e à forma com que prestados os serviços, é essencial, a mitigar os riscos de uma condenação trabalhista, e para que haja uma segurança jurídica maior às partes, que, no contrato, haja a expressa estipulação de todos os direitos e deveres que cabem ao contratante e ao contratado. O documento deverá contemplar as condições gerais da prestação de serviços e de pagamento, ou seja, dentre outros aspectos, a possibilidade de representação simultânea a outras empresas não concorrentes e de poder o representante se fazer substituir por prepostos, a descrição dos produtos que serão objeto de representação comercial, o prazo (ainda que indeterminado) do contrato, os locais de atuação do representante, a garantia de exclusividade ou não nas regiões de atuação do representante, os percen- tuais a serem pagos a título de comissão, a data de pagamento, as formas de rescisão e um foro para apreciar e julgar qualquer litígio decorrente contrato. É preciso estar atento, pois, aos requisitos à consideração de um efetivo representante comercial, garantindo que as ativi- dades contratadas nessa condição não se identifiquem com as atividades próprias de um empregado. Cristina Krause OAB/RS 46.058 • Advogada integrante da equipe de profissionais do escritório Garcez Advogados Associados – Assessoria Jurídica do SINDIMETAL RS, nas áreas Trabalhista, Ambiental e de Representação Comercial.
  11. 11. s indimet a l@sindimetalrs.org.br 11 jurídico tributário LEI Nº 14.020, DE 06 DE JULHO DE 2020 DERRUBADO O VETO DO PRESIDENTE DA REPÚBLICA EM RELAÇÃO À DESONERAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTO tos incondicionais concedidos, em substituição às contribuições previstas nos incisos I e III do caput do art. 22 da Lei nº 8.212, de 24 de julho de 1991: I - (revogado); II - (revogado); III - (revogado); IV - (revogado); V - (revogado). VI - as empresas jornalísticas e de radiodifusão sonora e de sons e imagens de que trata a Lei nº 10.610, de 20 de dezembro de 2002, enquadra- das nas classes 1811-3, 5811-5, 5812-3, 5813-1, 5822-1, 5823-9, 6010-1, 6021-7 e 6319-4 da CNAE 2.0; (Incluído pela Lei nº 13.670, de 2018) VII - (VETADO); (Incluído pela Lei nº 13.670, de 2018) VIII - as empresas que fabriquem os produtos classificados na TIPI nos códigos: (Incluído pela Lei nº 13.670, de 2018) a) 3926.20.00, 40.15, 42.03, 43.03, 4818.50.00, 6505.00, 6812.91.00, 8804.00.00, e nos capítu- los 61 a 63; (Incluída pela Lei nº 13.670, de 2018) b) 64.01 a 64.06; (Incluída pela Lei nº 13.670, de 2018) c) 41.04, 41.05, 41.06, 41.07 e 41.14; (Incluída pela Lei nº 13.670, de 2018) d) 8308.10.00, 8308.20.00, 96.06 e 96.07; (In- cluída pela Lei nº 13.670, de 2018) e) 87.02, exceto 8702.90.10, e 87.07; (Incluída pela Lei nº 13.670, de 2018) f) (VETADO); (Incluída pela Lei nº 13.670, de 2018) g) 4016.93.00; 7303.00.00; 7304.11.00; 7304.19.00; 7304.22.00; 7304.23.10; 7304.23.90; 7304.24.00; 7304.29.10; 7304.29.31; 7304.29.39; 7304.29.90; 7305.11.00; 7305.12.00; 7305.19.00; 7305.20.00; 7306.11.00; 7306.19.00; 7306.21.00; 7306.29.00; 7308.20.00; 7308.40.00; 7309.00.10; 7309.00.90; 7311.00.00; 7315.11.00; 7315.12.10; 7315.12.90; 7315.19.00; 7315.20.00; 7315.81.00; 7315.82.00; 7315.89.00; 7315.90.00; 8307.10.10; 8401; 8402; 8403; 8404; 8405; 8406; 8407; 8408; 8410; 8439; 8454; 8412 (exceto 8412.2, 8412.30.00, 8412.40, 8412.50, 8418.69.30, 8418.69.40); 8413; 8414; 8415; 8416; 8417; 8418; 8419; 8420; 8421; 8422 (exceto 8422.11.90 e 8422.19.00); 8423; 8424; 8425; 8426; 8427; 8428; 8429; 8430; 8431; 8432; 8433; 8434; 8435; 8436; 8437; 8438; 8439; 8440; 8441; 8442; 8443; 8444; 8445; 8446; 8447; 8448; 8449; 8452; 8453; 8454; 8455; 8456; 8457; 8458; 8459; 8460; 8461; 8462; 8463; 8464; 8465; 8466; 8467; 8468; 8470.50.90; 8470.90.10; 8470.90.90; 8472; 8474; 8475; 8476; 8477; 8478; 8479; 8480; 8481; 8482; 8483; 8484; 8485; 8486; 8487; 8501; 8502; 8503; 8505; 8514; 8515; 8543; 8701.10.00; 8701.30.00; 8701.94.10; 8701.95.10; 8704.10.10; 8704.10.90; 8705.10.10; 8705.10.90; 8705.20.00; 8705.30.00; 8705.40.00; 8705.90.10; 8705.90.90; 8706.00.20; 8707.90.10; 8708.29.11; 8708.29.12; 8708.29.13; 8708.29.14; 8708.29.19; 8708.30.11; 8708.40.11; 8708.40.19; 8708.50.11; 8708.50.12; 8708.50.19; 8708.50.91; 8708.70.10; 8708.94.11; 8708.94.12; 8708.94.13; 8709.11.00; 8709.19.00; 8709.90.00; 8716.20.00; 8716.31.00; 8716.39.00; 9015; 9016; 9017; 9022; No dia 04 de novembro de 2020, o Congresso Nacional derrubou o veto do Presidente da República, em relação à prorrogação do prazo para desoneração da folha de pagamento, objeto da Lei nº 14.020, de 06 de julho de 2020. Dessa forma, a redação dos artigos 7º e 8º da Lei nº 12.546/2011, passam a vigorar com a seguinte redação: Art. 7º Até 31 de dezembro de 2021, poderão contribuir sobre o valor da receita bruta, excluídos as vendas canceladas e os descontos incondicionais concedidos, em substituição às contribuições previstas nos incisos I e III do  caput  do art. 22 da Lei nº 8.212, de 24 de julho de 1991: I - as empresas que prestam os serviços referidos nos §§ 4º e 5º do art. 14 da Lei nº 11.774, de 17 de setembro de 2008; (Incluí- do pela Lei nº 12.715, de 2012) II - as empresas do setor hoteleiro enquadra- das na subclasse 5510-8/01 da Classificação Nacional de Atividades Econômicas - CNAE 2.0; (Incluído pela Lei nº 12.715, de 2012) (Revogado pela Lei nº 13.670, de 2018) III - as empresas de transporte rodoviário coletivo de passageiros, com itinerário fixo, municipal, intermunicipal em região metropolitana, intermunicipal, interestadual e internacional enquadradas nas classes 4921-3 e 4922-1 da CNAE 2.0; (Incluído pela Lei nº 12.715, de 2012) IV - as empresas do setor de construção civil, enquadradas nos grupos 412, 432, 433 e 439 da CNAE 2.0; (Incluído pela Lei nº 12.844, de 2013) V - as empresas de transporte ferroviário de passageiros, enquadradas nas subclasses 4912-4/01 e 4912-4/02 da CNAE 2.0; (Reda- ção dada pela Lei nº 12.844, de 2013) VI - as empresas de transporte metrofer- roviário de passageiros, enquadradas na subclasse 4912-4/03 da CNAE 2.0; (Redação dada pela Lei nº 12.844, de 2013) VII - as empresas de construção de obras de infraestrutura, enquadradas nos grupos 421, 422, 429 e 431 da CNAE 2.0. (Redação dada pela Lei nº 12.844, de 2013) Art. 7º-A. A alíquota da contribuição sobre a receita bruta prevista no art. 7º será de 4,5% (quatro inteiros e cinco décimos por cento), exceto para as empresas de call center refe- ridas no inciso I, que contribuirão à alíquota de 3% (três por cento), e para as empresas identificadas nos incisos III, V e VI, todos do caput do art. 7º , que contribuirão à alíquota de 2% (dois por cento). (Redação dada pela Lei nº 13.202, de 2015) Art. 8º Até 31 de dezembro de 2021, pode- rão contribuir sobre o valor da receita bruta, excluídos as vendas canceladas e os descon- Marina Furlan OAB/RS 51.789 • Advogada da equipe Buffon, Furlan & Bassani Advogados Associados – Assessoria Jurídica do SINDIMETAL RS, na área Tributária. 9024; 9025; 9026; 9027; 9028; 9029; 9031; 9032; 9506.91.00; e 9620.00.00; (Incluída pela Lei nº 13.670, de 2018) h) (VETADO); (Incluída pela Lei nº 13.670, de 2018) i) (VETADO); (Incluída pela Lei nº 13.670, de 2018) j) 02.03, 0206.30.00, 0206.4, 02.07, 02.09, 0210.1, 0210.99.00, 1601.00.00, 1602.3, 1602.4, 03.03, 03.04 e 03.02, exceto 03.02.90.00; (Incluída pela Lei nº 13.670, de 2018) k) 5004.00.00, 5005.00.00, 5006.00.00, 50.07, 5104.00.00, 51.05, 51.06, 51.07, 51.08, 51.09, 5110.00.00, 51.11, 51.12, 5113.00, 5203.00.00, 52.04, 52.05, 52.06, 52.07, 52.08, 52.09, 52.10, 52.11, 52.12, 53.06, 53.07, 53.08, 53.09, 53.10, 5311.00.00, no capítulo 54, exceto os códi- gos 5402.46.00, 5402.47.00 e 5402.33.10, e nos capítulos 55 a 60; (Incluída pela Lei nº 13.670, de 2018) l) (VETADO); (Incluída pela Lei nº 13.670, de 2018) m) (VETADO); (Incluída pela Lei nº 13.670, de 2018) IX - as empresas de transporte rodoviário de cargas, enquadradas na classe 4930-2 da CNAE 2.0; (Incluído pela Lei nº 13.670, de 2018) Art. 8º-A A alíquota da contribuição sobre a receita bruta prevista no art. 8º desta Lei será de 2,5% (dois inteiros e cinco dé- cimos por cento), exceto para as empresas referidas nos incisos VI, IX, X e XI do caput do referido artigo e para as empresas que fabricam os produtos classificados na TIPI nos códigos 6309.00, 64.01 a 64.06 e 87.02, exceto 8702.90.10, que contribuirão à alí- quota de 1,5% (um inteiro e cinco décimos por cento), e para as empresas que fabricam os produtos classificados na TIPI nos códi- gos 02.03, 0206.30.00, 0206.4, 02.07, 02.09, 0210.1, 0210.99.00, 1601.00.00, 1602.3, 1602.4, 03.03 e 03.04, que contribuirão à alíquota de 1% (um por cento). Assim, os setores econômicos que já esta- vam na desoneração, serão mantidos até o final do ano de 2021, nos percentuais definidos pela legislação antes reproduzida.
  12. 12. w w w . s i n d i m e t a l r s . o r g . b r 12 • Advogada da Toffoli Assessoria e Consultoria - Assessoria Jurídica do SINDIMETAL RS, na área Previdenciária. Jucemara Toffoli OAB/RS 8.345 institucional Vantagens e Desvantagens da Nova Reforma da Previdência S abe-se que a nova reforma da previdência é assunto muito delicado e polêmico, pois gera tanto apoiadores como opositores, isto porque uns acreditam que essa reforma trouxe vantagens, já outros, desvantagens para o País e trabalhadores. Segundo os apoiadores da Reforma da Previdência dentre as principais vantagens pode-se citar as seguintes: · Reduz as desigualdades no sistema previdenciário:  com a nova reforma as regras para idade mínima de aposentadoria, a forma de cálculo dos benefícios e as normas para pensão por morte se tornaram as mesmas para os servidores públicos e para os trabalhadores de iniciativa privada. · Adaptação das regras de acesso à aposentadoria ao envelheci- mento da população: a mudança da idade mínima para aposen- tadoria representa uma maior expectativa de vida, pois com a redução da taxa de natalidade a quantidade de trabalhadores contribuindo para a previdência diminui e, consequentemente, com o envelhecimento da população ocorre um desequilibro na relação entre quantidade de pessoas aposentadas e pessoas que contribuem. Com isso, a nova reforma estabelece um equi- líbrio dessa relação, pois com a mudança da idade mínima, as pessoas passarão mais tempo contribuindo. · Proporciona condições para a redução dos juros básicos da economia: a nova reforma diminui a necessidade do governo de buscar dinheiro no mercado para financiar os gastos púbicos, isto devido à redução do ritmo de crescimento das despesas com as aposentadorias Em contrapartida os opositores da Reforma da previdência destacam como as principais desvantagens as seguintes ques- tões: · Idade mínima e mudança no valor da aposentadoria: muitos acreditam que a realidade do Brasil não é de um país no qual essa imposição de uma idade mínima seja uma regra eficiente, pelo fato de não ser um país com altos padrões de condições de vida e não apresentar uma maior população idosa. No que se refere à mudança do valor da aposentadoria, defendem que a redução do valor e a mudança da forma como calcular o benefício, obriga o contribuinte a trabalhar por mais tempo.  · Pensão por morte:  muitos acreditam que não é correto proibir a acumulação de pensão ou aposentadoria, pois aquele trabalhador contribuiu de forma certa para receber o seu justo benefício. Mudanças refletidas na categoria empresarial Assim como os trabalhadores e cidadãos brasileiros, o setor empresarial também está abrangido nesta Reforma da Previ- dência Social do Brasil a partir da publicação da EC nº 103/ 2019 O principal impacto que se pode citar com relação a reforma da previdência para as empresas é com relação a alteração que vão ter que fazer em toda a sua cultura de contratação. Será necessário implantar uma nova cultura de contratação para se adaptar às novas regras. É necessário mexer nos planos de carreira, novas regras para bonificações, revisão de diversos benefícios, atualização da gestão de folha de pagamento e novas regras do FGTS. Destacam-se as novas regras em relação ao Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS), cuja mudança incide na rotina das empresas, pois com a nova reforma não é mais necessário pagar o FGTS para os colaboradores que já estão aposentados e nem a multa de 40% sobre o valor do FGTS quando o colabo- rador é desligado sem ser por justa causa. Outro ponto que exige ajuste é o sistema de cálculo das alíquotas que serão repassadas ao governo, pois exige uma revisão dos parâmetros de recolhimentos previdenciários. Há também os aspectos relacionados ao envolvimento do setor de gestão de pessoas, pois com as alterações na previdência, o trabalhador permanecerá mais tempo na ativa até que possa usufruir da sua aposentadoria. São esperados reflexos no gerenciamento dos custos e benefí- cios. Em um ambiente de trabalho composto por mais idosos, as despesas com planos médicos tendem a aumentar. Mais do que nunca, políticas de qualidade de vida serão um caminho viável para um ambiente de trabalho saudável e produtivo. Neste contexto, pode-se perceber que não só os contribuintes tiveram que se adequar as novas regras da nova reforma da previdência, mas sim todos os setores como trabalhadores da iniciativa privada, servidores públicos e empresas. Portanto, sabe-se que quando se trata de mudanças, nem todas as partes ficam satisfeitas, ainda mais quando se refere a assunto delicado e polêmico. Mas, tanto o contribuinte de in- ciativa privada, como servidores públicos e empresas, tiveram que se adaptar as regras da nova reforma da previdência do Brasil, mesmo que concordassem ou não. Planejar a aposentadoria é e continuará sendo muito impor- tante, não só para o funcionário, empregado, cidadão, mas principalmente um planejamento das empresas quando ao seu quadro de funcionário. Planejamento Previdenciário de seus colaboradores é assunto que deverá ser repensado pelas empresas. jurídico previdenciário
  13. 13. s indimet a l@sindimetalrs.org.br 13 ACORDO SETORIAL DE LOGÍSTICA REVERSA DE ELETROELETRÔNICOS PARA DIMINUIR O DESCARTE INAPROPRIADO DE PRODUTOS E OS IMPACTOS AMBIENTAIS O Acordo Setorial para a Logística Reversa de Eletroele- trônicos consiste em documento elaborado e firmado pela União Federal e por empresas e entidades público e privadas (que compõe o setor eletroeletrônico), que pretende implementar metas acerca da logística reversa prevista na Lei Federal nº 12.305/2010. Tal Acordo representa um avanço im- portante na Política Nacional de Resíduos Sólidos. A legislação brasileira já previa que os fabricantes, importado- res, distribuidores e comerciantes deveriam adotar um siste- ma de logística reversa estruturado, com o intuito de reciclar do lixo eletrônico produzido. Contudo, inexistia até então um planejamento nacional, com metas e procedimentos objetivos a serem efetivamente cumpridos. Em agosto de 2019 foi iniciada uma consulta pública que cul- minou, em 31.10.2019, na assinatura e celebração do Acordo Setorial para a Logística Reversa de Eletroeletrônicos. Neste documento, firmado pelo Ministro de Meio Ambiente e de- mais entidades, foram estabelecidas as metas e cronogramas específicos sobre a logística reversa, além de definições fis- cais, tributárias e ambientais, que viabilizam e dão segurança técnica e jurídica à operação. De maneira muito resumida, o Acordo prevê que as empresas que atuam no setor eletroeletrônico, a partir do ano de 2021, serão obrigadas a coletar e destinar corretamente à reciclagem ou destinação final adequada (descarte) ao equivalente a 1%, em peso, do que produziram e comercializaram no mercado, no exercício de 2018. Esses percentuais serão majorados para 3%, 6%, 12%, e chegarão a 17% em 2025 (sendo que as metas serão objeto de análise para os anos seguintes a 2026). Faz-se a ressalva que os termos do Acordo se restringem ape- nas a aparelhos eletroeletrônicos de uso domiciliar, tais como computadores, celulares, telefones, impressoras, televisores e outros. As empresas poderão criar seus sistemas próprios de logística reversa ou de forma coletiva, em espécie de condomínio de empresas para viabilizar e minimizar os custos de operação de coleta e reciclagem dos eletroeletrônicos. Para o cumprimento das metas ficou definido também que todos os municípios que contem com mais de 80 mil habi- tantes deverão disponibilizar pontos de entregas voluntárias apropriadas, os quais deverão ser instalados em locais de fácil acesso aos consumidores, como lojas do varejo, instituições de ensino, praças municipais e órgãos públicos. O Acordo também prevê genericamente a aplicação de pe- nalidade às empresas e entidades que descumprirem as obri- gações pactuadas, as quais serão objeto de enquadramento, qualificação e graduação conforme a legislação ambiental já existente. Ainda ficou definido que permanecem preservadas as competências fiscalizatórias do Sistema Nacional de Meio Ambiente – SISNAMA, composto por órgãos e entidades da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios. Para saber mais informações específicas sobre o Acordo Se- torial para a Logística Reversa de Eletroeletrônicos, faça sua consulta pessoalmente à área jurídica nas segundas-feiras, das 10h às 12h, no SINDIMETAL ou via remota, conforme necessi- dade. jurídico ambiental / ação Eduardo Gaelzer OAB/RS 58.660 • Advogado integrante da equipe de profissionais do escritório Garcez Advogados Associados – As- sessoria Jurídica do SINDIMETAL RS, nas áreas Tra- balhista, Ambiental e de Representação Comercial. Especialistas projetam o futuro das relações trabalhistas P ara debater o futuro do trabalho e a necessidade de as empre- sas se adequarem às mudanças ocorridas nos últimos meses, a Federação das Indústrias do Estado do Rio Grande do Sul (FIERGS) promoveu, no dia 03 de dezembro, o evento As Relações do Trabalho Pós-Pandemia. O objetivo foi trocar experiências com especialistas, bem como tratar das medidas tomadas pelo governo para reduzir os impactos nessas relações após a crise. O painel Medidas Trabalhistas Pós Pandemia e Julgamentos Tra- balhistas no STF em 2020, com debate entre os advogados Eliana Herzog e Guilherme Bier Barcelos, contou com a mediação, do vice-coordenador do Conselho de Relações do Trabalho (Contrab), Sergio Galera, presidente do SINDIMETAL RS e diretor da FIERGS. O painel sobre A Influência da Pandemia nas Negociações Co- letivas e nas Decisões do TRT4 e TST, com o desembargador e vice-presidente do Tribunal Regional do Trabalho da 4ª Região, Francisco Rossal, teve a participação do consultor Jurídico da FIERGS e de entidades sindicais patronais, advogado Edson Morais Garcez. LIVE – Contrab, Copemi, Conlider e Unisind se uniram para pro- mover o segundo evento on-line e gratuito sobre a Lei Geral de Proteção de Dados. O tema LGPD - Os Impactos na Relação de Trabalho esteve em pauta, no dia 04 de novembro. O evento foi mediado igualmente pelo empresário Sergio Galera.
  14. 14. w w w . s i n d i m e t a l r s . o r g . b r 14 ASSOCIADAS 48 ANOS DE HISTÓRIA E PIONEIRISMO Produção com qualidade Um marco importante está sendo vivido pela In- dústria de Peças Inpel. No mês de setembro a associada, fundada pelos empreendedores Armando e Gumercindo Marcon, completou 65 anos de existência. Com sede no município de Sapucaia do Sul, a empresa é especializada na fabricação de Engrenagens Cônicas e Caixas de Transmissão, fornecendo seus produtos para montadoras de máquinas e implementos agrícolas. A forte atuação, em todo território nacional, através de representantes comerciais, tem sido ampliada, alcançando países como Argentina, Venezuela, Paraguai, Colômbia e Alemanha. O parque fabril, constituído de máquinas de última geração para fabricação de seus produ- Em 20 de outubro de 1972, a Transmaq se tornava pioneira na fabricação de Redutores de Velocidade no sul do País. Isso tudo graças ao trabalho árduo de Leonardo Pedroso e Sydonita Pedroso, que teve início quando o casal uniu à sua disposição para o trabalho, o conhecimento técnico e as poucas economias para começar um negócio próprio. Com o apoio dos filhos e o incentivo dos pri- meiros clientes e amigos, iniciaram a fabricação de Redutores de Velocidade em uma simples tornearia nos fundos do quintal de casa, na cidade de Esteio/RS. Compraram toda a matéria-prima, fabricaram e levaram pessoalmente os produtos até os clientes para que ficassem conhecidos. Aceita- ram longas esperas e superaram todas as difi- culdades iniciais até o surgimento da Transmaq Redutores de Velocidade — que mais tarde ganharia o nome de Transmaq Motorredutores. Ao completar 26 anos de existência, no mês de outubro, a associada  Itecê, consolida-se como uma das maiores fornecedoras de peças de reposição do mercado de motosserras e roça- deiras. Empresa 100% brasileira, sediada em São Leopoldo/RS, a  Itecê  é reconhecida, também, como uma das principais fabricantes de sabres para motosserras, do mercado de reposição. Produzindo e importando uma grande variedade de peças de reposição, a empresa conta com um portfólio de mais de 10.000 itens, além de dispo- nibilizaraproximadamente10novoslançamentos por mês, o que proporciona aos usuários de seus produtos no Brasil e no exterior, os mais altos padrões de qualidade e desempenho exigidos. 65 anos atenta ao mercado e aos fiéis clientes FONTE:ITECÊFONTE:TRANSMAQFONTE:INPEL tos, possui oito mil metros de área construída em um terreno de aproximadamente 11 mil metros quadrados. Integram o quadro de colaboradores em torno de 200 funcionários diretos, incluindo um especializado corpo técnico, que conta com equipamentos para o desenvolvimento de produtos de alta tecnologia na sua área de atuação. A qualidade também é marca re- gistrada da Inpel, certificada com a ISO 9001: 2015, desde 1997. Registramos os cumprimentos aos gestores e à equipe, que somados aos fornecedores e clientes têm contribuído para fomentar o setor. Parabéns, família Inpel! O empenho do casal fundador deu resultado e, na década de 1980, a área industrial da em- presa foi ampliada. Foi quando se mudaram para a cidade vizinha, Sapucaia do Sul/RS. Ali, novas oportunidades e também desafios os aguardavam. O mercado de Redutores de Velocidade havia se ampliado, assim como a concorrência co- mercial. Neste período, destacou-se a gestão familiar, a participação em feiras do setor me- talmecânico e o início das práticas ambientais dos fundadores. Hoje, com 48 anos de história, a Transmaq é administrada pelo filho dos fundadores, Leonardo Pedroso, e pela neta, Milena Pedroso, sendo refe- rência em Redutores e Motorredutores de Velocidade, aten- dendo diversos setores do mercado e ofere- cendo modelos para inúmeras aplicações. A empresa registra seu agradecimento, es- pecialmente, aos colaboradores, clientes e a todos que, de alguma forma, fazem parte da história da Transmaq! Dentrodessecenáriodeexpansãoecrescimento, a associada tem profissionalizado cada vez mais sua gestão. Recentemente, iniciou um trabalho de sucessão, em que os filhos dos sócios se apri- moram nas áreas afins da empresa, preparando- -se para dar continuidade a esta trajetória de sucesso, iniciada em 1º de outubro de 1994. Sempre trabalhando com foco na satisfação plena de seus clientes, a meta da Itecê, a curto prazo, é aprimorar seu mix de produtos e aumen- tar a capacidade instalada na produção de sabres para motosserras. Assim, com foco nos resultados, a empresa cele- bra seu aniversário cada dia mais forte e prepa- rada para enfrentar novos desafios, projetando um futuro de grandes vitórias e realizações. Parabéns para o time Itecê!
  15. 15. s indimet a l@sindimetalrs.org.br 15 Primeira porta industrial do mundo (IoT) e lançamento de aplicativo Com uma história de credibilidade no mercado e austeridade na gestão da empresa, a BWR com- pletou, no dia 20 de novembro, 40 anos de forte atuação na fabricação de ferramentas pneumá- ticas industriais. Tradicionalnoseusegmento,auxiliaasempresas nos problemas produtivos, propondo soluções seguras e coerentes contribuindo de forma efi- caz com a produção dos clientes. O atendimento especializado tem sido referência, além de uma linha de produtos variada, resistente, durável e com garantia de qualidade, que inclui mais de 230 modelos. Atendendo aos processos produtivos da indús- tria metalúrgica, automotiva, moveleira, naval e fundições, entre outras, oferece um serviço ASSOCIADAS 40 anos de tradição na fabricação de ferramentas pneumáticas industriais FONTE:BWRFONTE:SEBRAS de manutenção ágil, independente de marca e modelo, possuindo peças de reposição originais e assistência técnica permanente. Essa trajetória de sucesso, pautada pela dedica- ção e conhecimento técnico, teve início com o empresário Bernardo Wilibaldo Reitz, que junta- mente com a esposa Claire Helena Zingano Reitz e a filha Helena, tem se destacado pela busca de soluções na produção industrial. Capítulo especial em 2020  – Seguindo com a máquina enxuta, a empresa investiu no atendimento à distância, via meios eletrônicos disponíveis. Efetuando compras essenciais para o funcionamento e manutenção da organização, a direção manteve o ciclo comercial, não permi- tindo que a relação com os fornecedores fosse afetada e sofresse estagnação. A conscientiza- ção da equipe também tem sido fundamental, mantendo o trabalho, num clima de compreen- são e solicitude. Com a diminuição da produção, um tempo maior foi dedicado para a criação e o aperfei- çoamento de uma ferramenta, que alguns se- tores já careciam há algum tempo. O anúncio da novidade, uma furadeira tipo pistola BWR 500 P50, comprovou que os momentos de crise também podem ser voltados para o de- senvolvimento e a adequação dos processos produtivos das empresas. A nova Furadeira Pistola BWR 500 P50 (com mandril) e BWR 500 P50P (com pinça) foi desenvolvida para obter alto desempenho, agilidade e potência aos processos de fura- ção, além de maior durabilidade das brocas. ‘A solução na produção industrial’, como o próprio slogan da empresa afirma, segue fazendo parte do dia a dia da BWR. Que o sucesso marque este novo ciclo da BWR! Parabéns! Há 17 anos atuando com soluções em isolamentos industriais, a associa- da Sebras, de São Leopoldo, lançou, em agosto, uma inovação mundial na indústria: a Porta Rápida Inteligente 4.0. Esta solução inédita é baseada na tecnologia IoT (Internet das coisas), que consiste na conexão entre ob- jetos físicos, do dia a dia, por intermédio de sensores, chips e softwares. A Porta Rápida Inteligente 4.0 utiliza o Sistema Sebras de Comunicação 4.0, que interliga todos os dados variáveis da porta e do ambiente onde está instalada com a nuvem. O objetivo é permitir um acompanhamento em tempo real da performance de todas as portas instaladas. O único dispositivo que o profissional necessita para utilizar o sistema é de um smartphone ou computador e, com apenas alguns toques, pode acessar todas as funcionalidades. Graças à inovação é possível verificar desde funcionalidades básicas, como se a porta está aberta ou fechada, como, também, questões mais avançadas: tensão da corrente, segurança, temperatura, umidade e força dos ventos, para portas externas. Tudo fica registrado no sistema e é apresentado no aplicativo. Uma preocupação importante da equipe técnica por trás do projeto são os clientes atuais. De forma a garantir o acesso à Porta 4.0, a Sebras desenvolveu um kit que pode ser incorporado em qualquer porta já fabricada e instalada. Assim, clientes que já utilizam as so- luções da empresa podem também acelerar os seus processos tecnológicos, começando pelas portas de entrada das suas fábricas ou linhas de produção. Já o lançamento do APP 4.0 SEBRAS ocorreu no mês de novembro. O mesmo consiste num aplicativo, que monitora todos os dados variáveis da porta e do ambiente onde está instalada, o que permite um acompa- nhamento em tempo real de suas Portas Rápidas Automáticas Sebras, através da conexão à internet. As vantagens são o monitoramento pelo seu telefone ou computador; conexão à Internet; informação em tempo real das respectivas portas; avisos, alarmes e notificações; relatórios diários de desempenho e análi- se, diagnóstico e correções de funcionamento. Novo produto em meio à crise O ano de 2020 foi e está sendo atípico na caminhada dos 21 anos de existência da Alu- -Cek. A partir das restrições dos protocolos de segurança à saúde dos trabalhadores e dos cidadãos, que começaram a ser divulgadas e exigidas, houve uma acentuada recessão nos primeiros meses da pandemia causada pelo vírus chinês. Inovar era preciso, seja na estimulação da criatividade em ações para driblar os dias futuros de incertezas, como também tentar se aliar de alguma forma às novas exigências sanitárias.  Assim, surgiram algumas oportu- nidades de desenvolvimento de produtos para clientes, que necessitavam de prote- ções aos seus colaboradores, no combate ao Covid-19. Um deles foi para uma empresa, com uma grande área aberta de escritórios, onde foram fornecidas barreiras físicas para um maior isolamento dos seus colaboradores. Outro produto desenvolvido foi a cabine de higienização para EPI’s e um terceiro um ‘totem’, para aplicação de álcool em gel, através de acionamento por pedal. Este, inclusive, será ofereci- do enquanto durarem os protocolos sanitários. Os respectivos ‘totens’ são fornecidos de forma personalizada, ou seja, é aplicado na parte frontal um adesivo, com a marca da empresa ou instituição, destacando as devidas orientações para o uso do equipamento. Os novos produtos não vieram em substituição à perda de faturamento da Alu-Cek, mas ajudaram na recuperação da empresa. FONTE:ALU-CEK
  16. 16. w w w . s i n d i m e t a l r s . o r g . b r 16 convênios / orientações NOVO CONVÊNIO: Demais parcerias existentes N ovo convênio foi assinado no dia 04 de dezembro, destinado às as- sociadas do SINDIMETAL RS e seus colaboradores, a partir da comprovação de vínculo empregatício. Trata-se de serviços de Conciliação de Vizinhança, Consumidor, Condomínios, Colégios e Acidentes de Trânsito sem vítimas; Mediação Extrajudicial e empresarial, de Contratos, Aquisição de Imóvel e diversos, bem como Tratativas Preliminares para temas de família, disponi- bilizados pela Associação Desatando Nós e Criando Laços. Os beneficiários serão isentos, pelo prazo de um ano, do pagamento das Taxas de Re- gistro e Administração. O desconto, sobre a tabela de serviços, será de 30% nas sessões de conciliação, com duração de uma hora, e 50% nas sessões de mediação e tratativas preliminares, pelo período de duas horas. Segundo o presidente do SINDIMETAL RS, empresário Sergio Galera, a entidade sem- pre está buscando oferecer algo a mais para as suas associadas e filiadas. “Esta prática auxilia as empresas e engradece a entidade, reconhecida nacionalmente, como inovado- ra e atenta às necessidades do mercado”, assegura Galera. A presidente da respectiva Associação, Edialeda Susin, juntamente com a sua vice, Roseli Blauth, afirmou que “o SINDIMETAL RS é a primeira entidade sindical patronal no Estado a adotar a mediação como alter- nativa de resolução de conflitos, junto aos empresários e colaboradores”. DETALHES - A Associação Desatando Nós e Criando Laços é uma organização civil, formada por uma equipe multidisciplinar com sólida formação e experiência com a metodologia da Mediação de Conflitos, cuja a base é o restabelecimento do diálogo. A mesma atua desde 2001, nas esferas pú- blica, privada e no terceiro setor, na região metropolitana de Porto Alegre. #juntoscontraovírus Entre as vantagens e os benefícios da media- ção estão a celeridade e controle adequado do conflito; segurança jurídica e confiabilida- de, além da economia. A associação oferece também cursos, palestras e oficinas, com o objetivo de orientar para o desenvolvimento de comportamentos, habilidades e atitudes essenciais para uma comunicação efetiva e para o restabelecimento do diálogo. Entre as opções, Oficina de Comunicação Não Violenta, de Pais, de Diálogos e de Mediação. Os atendimentos serão realizados na sede da Associação, na Av. João Corrêa, nº 1111, sala 44, Centro, São Leopoldo, podendo ser virtuais, conforme a necessidade identificada para o caso. O agendamento deve ser realizado através dos seguintes canais: e-mail contato@ mediacaodesatandonos.org.br, telefone e WhatsApp (51) 9.9584.6231 ou pelo aplica- tivo de mensagem do Facebook, através do endereço mediacao.desatandonos. Parceria beneficia empresas e colaboradores

    Seja o primeiro a comentar

  • RoseliBlauth

    Dec. 30, 2020

Perspectivas Econômicas para 2021

Vistos

Vistos totais

87

No Slideshare

0

De incorporações

0

Número de incorporações

0

Ações

Baixados

0

Compartilhados

0

Comentários

0

Curtir

1

×